Pular para o conteúdo principal

Um rebelde na Astrologia Védica

Descobri o site de Ernst Wilhelm após me deparar com suas opiniões contundentes no fórum ACTastrology.

Ernst já demarca sua posição de um modo bastante diferenciado em relação aos outros astrólogos védicos pelo simples fato de usar o zodíaco tropical na astrologia védica! Essa é, porém, apenas a ponta do iceberg, aquilo que faz a fama dele, para o bem e para o mal.

Talvez um dos conceitos mais polêmicos e que divida a astrologia do ocidente e o oriente é quanto ao tipo de zodíaco empregado. Na Índia, a maioria (99%) usa o zodíaco sideral. No ocidente, o prevalente é o zodíaco tropical.

As razões para cada escola aplicar um determinado tipo de zodíaco nem sempre me são claras. Podemos estar diante de uma questão na qual a tradição dos antepassados seja mais importante do que de fundamentação teórica. Em outras palavras: eu faço assim porque meu pai fazia assim porque meu avô fazia assim e porque o meu bisavô também.

Segundo Ernst, os indianos desconheciam o movimento de precessão à epoca em que os principais clássicos da astronomia e astrologia deles foram escritos, sendo o entendimento dos indianos a favor de se referenciar o zodíaco em relação às estrelas, pois é uma referência fixa e nítida. Um fato que poderia ter contribuído para a escolha do zodíaco fixo às estrelas seria o tipo de astrologia que vigorava na Índia antes da introdução do conceito de zodíaco, já sideralista, por levar em conta os agrupamentos estelares (que poderíamos chamar grosseiramente de constelações) denominados Nakshatras.

Pode estar certo de que as afirmações acima não são levianas. Elas foram concluídas levando-se em conta os textos mais respeitados dentre os indianos: o Surya Siddhanta e o Panchasiddhantika. A palavra de Ernst ganha peso quando se nota sua trajetória. Ele é um estudante de sânscrito e já traduziu muita coisa para seus livros e aulas, que ele disponibiliza em seu site.

Quando descobri que ele estuda Sânscrito, comecei a levá-lo mais a sério. Antes disso, pensava que ele seria mais um "astrólogo americano histérico que fez uma peregrinação à índia e descobriu a luz". Ledo engano. As palavras dele ganham peso, mais ainda quando se assiste a uma aula dele ou se lê um dos seus textos.

O peso das palavras de Ernst vem da constatação de que ele não é uma mera ovelha com fé cega em algum guru. Ao contrário: o que ele diz foi: a) cuidadosamente traduzido por ele mesmo diretamente do sânscrito e b)testado em vários mapas. Eu admiro gente com pensamento independente - não a rebeldia injustificável patética, mas o pensamento original construído pela vivência intelectual e empírica.

Acima de toda a polêmica, Ernst demonstra ser um eterno estudante. Seja lá qual zodíaco você desejar, pode estar certo de que ele foi muito cuidadoso com as palavras.

Comentários

  1. Hari Om
    Ola Rodolfo, o ernst é muito convincente pq ele se coloca no lugar de todos questionadores sinceros, e de fato todos seus argumentos sao bons, mas as conclusoes dele sao puramente intuitivas, pois acreditar que os hindus desconheciam o fenomeno da precessao é se limitar a estudar o pensamento indiano do ponto de vista puramente cronologico, mas em termos de cronologia, se indiano deixa marcas confusas, ele se refere ao surya sidhanta principalmente como referencia, mas este tratado é bem recente em comparacao a obra de Parasara ou Jaimini, veja que mesmo os horoscopos babilonicos anteriores ao SS ja consideravam alguma precessao, entao ele chega a conclusoes de forma racional mas segundo ao seu proprio convencimento, eu gosto de todo o trabalho do ernst, mas tirando esta parte de suas conclusoes precessionais.Ja estudei varios cursos dele online ou por cursos gravados e recomendo todos. abs Evencio

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como interpretar uma Revolução Solar?

No post anterior eu comecei a falar sobre o método de previsão mais popular da idade média e renascença: direções primárias + revolução Solar. Também lancei no ar uma frase não-tão-enigmática assim:
Na revolução, qualquer coisa que signifique o nativo deve estar em contato com qualquer coisa que signifique o evento Neste artigo, vamos decifrar a frase acima: você aprenderá a interpretar uma revolução solar de um modo minimamente decente pra você já fazer alguma previsão.

Para ter um entendimento satisfatório desse artigo, você precisa saber alguma coisa de astrologia: o que cada casa e planeta podem representar, o que são partes árabes, e o que são aspectos/conjunções. É um artigo para os já iniciados, mas você que está começando agora pode consultar outras fontes pra entender o que falo aqui - com a internet, não será difícil.

Como nascem os eventos? As aulas de astrologia horária que você anda fazendo com o tio William Lilly deveriam te levar a mais além de encontrar seu cachorro. E…

As Casas da Morte.

Quando se pensa em morte na Astrologia Moderna, após uma série de desculpas e desembaraços para se lidar com o tema, vem a nossa mente a Casa VIII. Na Astrologia Medieval, essa também é a Casa usada para a questão, porém existem mais duas que tem participação na delineação da morte: As Casas IV e VII. Como muitas coisas dos livros antigos, elas são citadas porém não são explicadas. Tal qual um rabino dedicado ao estudo do Torá, temos de buscar algum sentido para aquilo se quisermos "digerir" os aforismos. Caso contrário, estes passarão incompreensíveis ao nosso entendimento.

A Casa VII é o lugar onde os planetas se põem, e portanto guardam uma representação simbólica de morte. Autores gregos também consideram planetas na VII como representantes de eventos que acontecerão no fim da vida do nativo.

A Casa IV marca o fim de um ciclo, pois a partir dela o planeta volta a "subir" rumo ao Ascendente. Muitos autores usam a Casa IV para simbolizar as coisas que acontecem ao …